Matheus MoriMura Jordão é conhecido nacionalmente como MoriMura. Aliás, internacionalmente. Seu canal no YouTube já se aproxima da marca de 2 milhões de inscritos, com apenas quatro anos no ar – por isso, este Na Mira é muito especial. Confira nosso ensaio e entrevista com o rapaz – viciado em termos como “e tals” e “saca”.

Mori entrou para a plataforma de vídeos ainda adolescente e acaba de alcançar a maioridade. Praticamente cresceu aos olhos do público. Seu conteúdo é focado em desafios divertidos, aborda temas em alta na Internet e usa a plataforma também para trocar experiências pessoais. Mori já revelou em um dos seus vídeos ser viciado em YouTube e afirmou que é inscrito em mais de 600 canais por lá! IMAGINA AS NOTIFICAÇÕES.

Febre Na Mira/Gabriel Galvani – Jaqueta: Acervo | Camisa: Zoomp | Calça: Acervo

Portanto, seu crescimento como influenciador digital é explicado por alguém que realmente ama o que faz e consome também o que produz. 

“Acho muito interessante porque assim eu posso buscar referências e trazer referências de outras pessoas pro meu próprio conteúdo, fazer com que ele vire um mix de todas as pessoas que eu assisto, entende? Eu acompanho muitos canais de vlog, muitos canais de comédia, muitos canais de games até.”

Mas nem sempre Mori pensou em trabalhar com Internet. O canal surgiu durante o último ano do Ensino Médio, quase como um tiro no escuro, depois de ver muitos criadores se dando bem neste mercado. Ainda assim, ele fez cursinho, prestou vestibular para medicina, foi aprovado e desistiu antes de começarem as aulas. 

“Eu cancelei a matrícula porque eu pensei: “vou tentar viver esse sonho que é o YouTube”, e graças a Deus deu certo e espero que continue dando certo por muito mais tempo.”

Febre Na Mira/Gariel Galvani/camiseta: Mickey Mouse VINTAGE; calça manchada: Gucci; tênis: Jeremy Scott

Apostou no canal e venceu. Mori revela que teria se especializado em dermatologia caso seguisse como universitário. Já pensou cuidar da pele com esse lindo? Perdemos um médico, mas ganhamos alguém que coloca tudo de si no entretenimento. Ele garante que será produtor de conteúdo mesmo que não mantenha o canal em alguns anos. Mori tem uma visão bem clara sobre a Internet e suas constantes mudanças:

“Eu nunca pensei em parar de vez de criar conteúdo. É óbvio que, pensando em daqui 20, 30 anos ou até 10 anos, eu não sei como esse mercado vai estar, porque ele é muito instável, pessoas vão, pessoas vêm.”

Para alguém que nem pensa em parar de trabalhar com Internet, Mori ficou bem impressionado na primeira vez que foi reconhecido publicamente – o bastante para inverter os papéis, pedir uma foto para suas fãs e ter guardado esse registro até hoje. <3

“Por incrível que pareça, eu tinha por volta de 1500 inscritos. Eu lembro até hoje e me assustei muito porque não esperava, tinha poucos seguidores na época. Foi num shopping e eu percebi que algumas meninas estavam me perseguindo, me seguindo entrando nas lojas e tals, até que eu entrei numa livraria pra tentar despistar elas só que elas entraram na livraria também. Eu lembro que elas chegaram em mim, pediram foto e eu fiquei meio confuso, tipo “Por que você quer tirar foto comigo?” aí uma delas perguntou “Você não é o MoriMura que faz vídeo pra Internet?”

Se depender da sua personalidade, ainda vamos ouvir falar dele por um bom tempo. Afinal, existem vários criadores compartilhando conteúdos semelhantes ao de Mori, mas ele combina um lado fofo com ousadia e consegue reduzir o distanciamento do público. Às vezes, o influencer parece um pouco mais velho perto de outros homens da sua idade. Às vezes parece mais novo. Em todos os momentos, demonstra confiança.

“No começo eu era um pouco mais travado em relação a me soltar na frente das câmeras e tals. Mas ultimamente eu tenho perdido essa vergonha e me aberto cada vez mais porque quando você vai produzindo conteúdo você vai atraindo pessoas que são iguais a você. Aí eu comecei a me sentir cada vez mais confortável para abrir mais detalhes sobre a minha vida pessoal e alguns detalhes que até então eu não contava pra ninguém e agora eu sou bem mais aberto pra falar dessas coisas.”

Febre Na Mira/Gabriel Galvani/total: New Era

Mori conhece bem o terreno onde pisa. Garante que ama receber o feedback do público, fica de olho nos comentários, até para entender como seu conteúdo está sendo recebido. Sua meta é alcançar o máximo de pessoas possíveis nas plataformas em que sua voz ecoa. Sua preocupação é também fazer as pessoas rir com suas publicações. Não é difícil sentir sua leveza quando está por perto.

Mesmo assim há quem tente jogar más vibrações em Matheus, mesmo que à distância, e ele sente a pressão, como qualquer ser humano normal – exceto pelos mais de 3,5 milhões de seguidores em suas redes sociais combinados. Mas aí é block na certa em usuário que só quer promover hate.

Febre Na Mira/Gabriel Galvani

“Às vezes é bastante complicado porque eu sinto que tem uma cobrança sobre o meu conteúdo só que eu paro pra pensar: o meu conteúdo sou eu como pessoa, eu mostro a minha vida, então às vezes acabo me sentindo muito pressionado. Mas ultimamente tenho tentado me libertar mais dessas pressões, porque eu sinto que quanto mais autêntico você é, mais as pessoas conseguem enxergar a realidade que tem dentro de você, se identificam e gostam do seu conteúdo.”

Ele confessa que no início sua família não compreendia sua escolha de trabalho. Tudo mudou quando eles perceberam que não se tratava apenas de diversão mais. Algum dinheiro começou a entrar depois de horas e horas de dedicação, convites para eventos e matérias foram surgindo, “hoje eles me apoiam super”.

Claro que Mori segue alguns critérios para aceitar tantos trabalhos e recusar outros. Ele sabe que tem uma reputação a zelar enquanto figura pública. Em um meio em que muitos se vendem por mimos e dinheiro, ele afirma que jamais promoveria um produto ou serviço que não cumpre o que promete.

“Eu tenho que ver se aquele conteúdo que eu estou compartilhando não vai ofender alguém, sempre que eu faço piadas, por exemplo, porque meu conteúdo é mais voltado pra comédia, tento fazer piadas comigo mesmo sabe, porque daí ninguém vai se sentir ofendido com aquilo. Eu tento ao máximo fazer um conteúdo legal pra todos e incluir todos, saca.”

Febre Na Mira/Gabriel Galvani

Com tantos números e trabalhos surgindo, Mori só pensa em ir mais longe e chegar a outros nichos. Durante a entrevista ele revelou que planeja algo voltado para a música em 2020, mas não deu mais detalhes. De qualquer forma, se depender da sua dedicação e paixão pelo entretenimento podemos esperar músicas incríveis. Agora, se veremos o moço atuando? Mori espera que sim!

“Cara, eu tenho muita vontade de participar de algum projeto desses que envolve cinema ou algum curta-metragem, alguma coisa no teatro, filmes, séries. Quando eu era criança o meu sonho era participar daquelas séries adolescentes que passavam na TV de comédia e tals.

Febre Na Mira/Gabriel Galvani/Total: New Era

Repare que uma sugestão nunca é o bastante na vida desse rapaz. Ele está sempre pronto para todas as oportunidades. O que impediu o investimento em atuação antes foi, por incrível que pareça, a timidez. Mori garante que foi o YouTube que ajudou a superar seu lado tímido. 

“Daqui a algum tempo vocês podem me ver nas telas de cinema. Será que é sonhar alto demais, acho que não, né?”

O que é sonhar alto demais para MoriMura?

NA MIRA – FEBRE TEEN: Mori Mura

Edição de Vídeo: Karen César (@karencesar_) e Felipe Leite (@felipeleitec)
Entrevista: Cintia Luz (@ciluzlima)
Fotografia: Gabriel Galvani (@gabrielggalvani)
Make-up: Natália Souza (@nataliasouzamakeup)
Produção: Talita Alencar (@talitaalencar)
Stylist: Caio Gobbi (@gobbiland)